O brilho de Elis

    Êeeee... hoje tem arrastão...

    Braços ao ar e uma gaúcha ganhando um país.

    Elis Regina teve uma carreira maravilhosa, é indiscutível. Cantou como poucas mulheres conseguiram fazer. Tinha uma garra especial e trejeitos exagerados de tão próprios e que despertaram os mais diversos comentários. Em 2007, uma rede de TV brasileira exibiu um programa que contava (parte) da trajetória da cantora. Trechos do especial podem ser vistos no www.youtube.com . Ao terminar, o programa foi vaiado, coisa que Elis dificilmente deve ter sofrido.

    Um certo "pudor" cercou a cúpula da emissora que vendeu ao público - tudo em nome do ibope, como assentido por um jornal de São Paulo - uma imagem pueril da estrela. Deixou de lados depoimentos importantes, omitiu suas fraquezas e confrontos, suas declarações polêmicas e o motivo de sua morte. Em uma cena tórrida, Elis foi achada morta, sem aparente explicação, dentro do seu quarto. E o programa acabou.

Drogas. Esse foi o temor da emissora.

    Elis Regina morreu porque ingeriu cocaína misturada com uísque, revelou o polêmico laudo do IML paulista que trouxe a público sua causa mortis. Essa combinação provocou-lhe uma parada cardíaca da qual não pôde ser reanimada. Paira aí todo medo: a estrela não poderia ter morrido por uma overdose!

    A cocaína é uma droga obtida de uma planta que cresce nos altiplanos sul-americanos. Um pó extraído de suas folhas virou mania internacional. No Brasil, financia o tráfico nos morros do Rio de Janeiro e na periferia de São Paulo. A capacidade destrutiva da cocaína pode ser medida pela quantidade de pessoas que fazem tratamento para se livrar de seu vício. Ela provoca as duas dependências, química e psíquica. Provoca também tolerância o que motiva o usuário a consumi-la em doses cada vez maiores.

    Tudo indica que Elis era, como todos que começam, uma usuária esporádica. Cansada de seu ritmo frenético, fazia uso constante de pó de guaraná. Alguém deve ter apresentado as propriedades "animadoras" da cocaína. No início dos anos 80, crescia, especialmente no Rio de Janeiro, o "babado" de que a cocaína bebida dava "um barato diferente". Alguém também lhe confidenciou mais essa novidade. Menos de meio grama de cocaína com álcool é potencialmente fatal. Mas as pessoas normalmente consomem um grama que é quanto vem em um "papelote" - unidade de tráfico da cocaína. Cocaína e guaraná são drogas estimulantes, como a cafeína e as anfetaminas também são.

    O mundo das drogas e o da música apresentam diversas intersecções que nem sempre formam conjuntos duradouros. Dezenas de exemplos se arrastam pelo mundo, com as trilhas sonoras mais diversas. Paul Mcartney, Ray Charles, Jim Morrison, James Taylor, Janis Joplin, Lobão, Zé Ramalho, Paulo Ricardo, Zeca Pagodinho, são músicos, intérpretes, princípios ativos diferentes e péssimos exemplos a seguir enquanto usuários. Isso não é um legado. É o início de um duro caminho a vencer. E muitos são vencidos. Fica a lição. A TV perdeu uma grande chance de fazer o seu papel: informar coerentemente a população que lhe confia seus minutos de paciência.

Comentários

Anderson disse…
Olá Marcello.
Interessante essa matéria sobre a Elis Regina. Desperta muita curiosidade o fato de tantos artistas famosos, que aparentemente tem tudo para serem felizes, acabarem como viciados em drogas.
Muito boa também a materia sobre Lei da Biossegurança, postada a algum tempo. Na oportunidade eu não comentei mas agora deixo aqui os meus elogios.
Eu gostaria de sugerir uma materia sobre gorduras. Eu sei que o assunto nao é totalmente da biologia, tendo bastante quimica envolvida, mas seria interessante se você fizesse uma abordagem biológica do assunto e que você puder na parte quimica, falando sobre os tipos de gordura, as diferenças, os efeitos no organismo, coisas desse tipo.
Bom, ficam os elogios ao blog e a sugestão. Sucesso.
LucasBass disse…
Olá! sou aluno seu no Galois, sala 4, turno vespertino. Sou apaixonado por música e gostei muito dessa sua matéria da Elis, que pra mim foi a maior cantora de todos os tempos do Brasil. Infelizmente, quem entra no meio artístico fica sujeito a esse monte de coisa ruim, como drogas e bebidas, e ainda mais quando se faz um sucesso estrondoso e tem que fazer shows todos os dias(e as vezes mais de um show por dia). É o que se paga pelo sucesso.
Um abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Insetos e aracnídeos: uma confusão evitável

Lista de exercícios - biologia