A respiração humana

    Um pouco de ar.

    As vias de entrada de ar no corpo humano são as narinas e a boca. O ar que entra pelas narinas atinge as fossas nasais. É melhor por aí. O ar é umedecido, aquecido, filtrado e "cheirado". O próximo ponto de passagem é a faringe (nasofaringe, orofaringe e laringofaringe). Depois, a laringe.

    A laringe é famosa porque é a nossa "caixa" vocal. É lá que ficam nossas pregas (cordas) vocais. Duas. Vibram conforme o ar as atravessa. Sofrem mudança na espessura com a puberdade, especialmente nos rapazes. Pregas mais grossas, voz mais grave. Assim "surge" o gogó.

    Da laringe, o ar segue para a traquéia. Dela para os brônquios e então o ar ganha os pulmões. Os dois pulmões juntos apresentam 5 litros de capacidade mas podem sofrer um "upgrade" de mais um litro com a atividade física. Os brônquios que penetram nos pulmões são chamados de primários. No interior dos pulmões, eles se ramificam em brônquios secundários e depois em bronquíolos. Os bronquíolos terminam em conjuntos de sacos. Cada saco é chamado de alvéolo pulmonar.

Os alvéolos e a hematose

    O objetivo respiratório é a chegada de ar aos alvéolos. Os alvéolos são rodeados por finos vasos sangüíneos chamados de capilares. Nessa região, o oxigênio flui para o sangue e o gás carbônico para o alvéolo. Essa troca gasosa é chamada de hematose. É a responsável pela mudança de sangue venoso em sangue arterial.

    Os gases atravessam de um lado para outro por difusão, ou seja, vão para onde se encontram em menor quantidade. Para que isso ocorra o sangue deve ter menos oxigênio e mais gás carbônico que o ar do alvéolo. Observe alguns casos de "atmosferas" e condições de hematose:

 

O2 (em %)

CO2 (em %)

Ocorre hematose?

Ar

21,0

0,03

Sim

Oxigênio puro

100

0,00

Sim

Marte

0,00

97

Não


 

Concorda?

Movimentos respiratórios

    Inspiramos e expiramos. São os movimentos respiratórios. Devem-se à ação do diafragma e dos músculos intercostais.

Inspiração

    Quando contraídos (diafragma e intercostais), o tórax aumenta. Assim, a pressão intrapulmonar diminui. O ar entra.

Expiração

    Quando relaxados (diafragma e intercostais), o tórax diminui. Assim, a pressão intrapulmonar aumenta. O ar sai.

Controle dos movimentos respiratórios

    Um ciclo respiratório constitui de uma expiração e uma inspiração. Em uma situação de repouso (desperto) são 10 a 15 ciclos por minuto. Diminuem com o sono. Aumentam com o exercício. O ritmo é controlado pelo bulbo (medula oblonga), estrutura nervosa localizada na nuca. Sua ação depende do pH sangüíneo e do teor de oxigênio em alguns vasos.

Transporte de gases pelo sangue

Oxigênio

    Em torno de 90% do oxigênio, é transportado pelas hemácias (eritrócitos ou glóbulos vermelhos). Elas possuem em seu interior, em um citoplasma desprovido de organelas e núcleo, milhões de moléculas protéicas de hemoglobina (Hb). Essas proteínas são conjugadas com um átomo de ferro. Apresentam grande afinidade pelas moléculas de O2. Formam, reversivelmente com elas, uma molécula chamada de oxiemoglobina (HbO2).

Gás carbônico

    Pouco mais de 20%, circulam ligados reversivelmente com a hemoglobina – é a carboemoglobina (HbCO2).

    Cerca de 70% do CO2 é transportado sob forma de bicarbonato no plasma. O gás carbônico gerado nos tecidos difunde-se para o sangue. Depois, entra na hemácia e reage com a água formando o ácido carbônico. Para isso, há a ação de uma enzima da hemácia chamada de anidrase carbônica. Logo depois, o ácido carbônico ioniza, liberando um H+ e formando o íon bicarbonato que é eliminado para o plasma. Todas essas reações são reversíveis.

Taquipnéia e bradipnéia

    O excesso de CO2 no sangue faz com que mais ácido carbônico seja formado. A proporcional ionização que ocorre libera mais H+ o que diminui o pH, ou seja, ele fica mais ácido. Diante da diminuição do pH, o bulbo percebe a alteração e provoca um aumento no ritmo respiratório – é a taquipnéia.

    Quando o CO2 diminui, o ácido carbônico e os íons H+ também. O pH aumenta o que leva o bulbo a diminuir o ritmo respiratório – é a bradipnéia.

Os sensores de O2

    Nas paredes das artérias aorta e carótidas, existem quimioceptores para o oxigênio. Essas espécies de sensores sinalizam o nível de O2, provocando a variação do ritmo respiratório.

Comentários

Anônimo disse…
parabens professor, voce me ajudou muito para omeu trabalho de ciencias
obrigado, abraço de ........
Anônimo disse…
Nossa que legal!!Vc consegue explicar mto bem, tonando o assunto de fácil compreensão!Me ajudou muito!Obrigada
Anônimo disse…
gostei muito da sua página viww....
tirei 10 no meu trabalho escolar.....
valeww....
bjinss..
=]
Anônimo disse…
Obrigado pela ajudaa professor!
Estudei para a provaa por aqui mesmo, e entendi muito bem XD
Anônimo disse…
Que Alivio ler algo assim...!Na escola, eu tinha dificuldade em entender isso. Hoje adoro aprender sobre o corpo Humano e seu funcionamneto Mágico! Sou Psicoterapeuta... Brigadoooo. Bjo.
Anônimo disse…
E VIVA O GALOOOOIS
rayane raquel disse…
ehh vlw professor essa sua postagem me ajudou mt msm
obg!!!
Andrea disse…
Professor
Eu gostaria de fazer a seguinte pergunta: ouvi dizer que se nós inspiramos o ar por somente uma das narinas (propositalmente fechamos uma delas, como exercício respiratório para cantar por exemplo) estimulamos assim mais um lado do cérebro? Se o ar entra por um lado da narina estimula mais o lado esquerdo por exemplo? A idéia seria estimular algumas vezes mais o lado emocional ou o outro. Será que deu pra entender a minha questão?
Agradeço desde já!
Andrea
andrea.del@uol.com.br
Yuri coelho disse…
Seria legal se possível uma linguagem mais direta para crianças de 6 a 8 anos.Tipo;a questão pesquisada era sobre os gases que compo~em a respiração humana.Então o que se queria saber era qual o gas que entra e qual sai.
M disse…
^^ De grande ajuda. Apresentando uma linguagem simples e objetiva sem perder a qualidade. Parabéns.
Anônimo disse…
seria melhor que vc explicasse de uma forma mais simples,mais vlw me ajudou muito.obg

Postagens mais visitadas deste blog

Insetos e aracnídeos: uma confusão evitável

Lista de exercícios - biologia