SISTEMA MUSCULAR


    Disparar o coração, saltar, apertar as mãos, sorrir. Toda essa força decorre de milhares de proteínas organizadas para essas incríveis atividades. Todas elas encerradas nas nossas células musculares.
    A célula muscular também é chamada de miócito ou fibra muscular. Pode ser de três tipos:
  1. Estriada esquelética
    Essa célula é alongada, plurinucleada e voluntária. É controlada pelo SNPS (sistema nervoso periférico somático). É encontrada na maioria dos músculos corporais como o bíceps braquial, quadríceps, tríceps, deltoide, masseter, entre outros.

  2. Estriada cardíaca
    A célula é ramificada, mononucleada (podendo ser binucleada) e involuntária (controle do SNPA – sistema nervoso periférico autônomo). Ocorre no coração, nas veias cavas e nas veias pulmonares.

  3. Lisa (não-estriada)
    Esse tipo celular não apresenta estrias quando visto ao microscópio óptico (como ocorre com as outras duas). A célula é mononucleada e fusiforme (suas extremidades são afinadas). Tem contração mais lenta que as outras mas, em contrapartida, tem capacidade de reprodução.

    Um miócito do muscular esquelético

    Apresenta uma membrana (denominada sarcolema) com capacidade de despolarização. Para isso, precisa ser acionada por neurotransmissores – invariavelmente a acetilcolina – na região de sinapse neuromuscular. A membrana apresenta invaginações que formam o túbulo transverso. Os túbulos invadem o interior da célula mantendo íntima vizinhança com canais do retículo endoplasmático liso – chamado de retículo sarcoplasmático. O conjunto dos túbulos formam o sistema T.
    Há muitas mitocôndrias formando o sarcossoma.
    O citoplasma é rico em miofibrilas.

    Miofibrila

    Estrutura alongada formada por unidades de repetição chamadas sarcômeros. Os sarcômeros são as verdadeiras unidades contráteis dos músculos, compostos pelas proteínas actina e miosina. As moléculas de actina formam um filamento fino ancoradas nas linhas Z. As moléculas de miosina formam filamentos mais grossos e centrais e funcionam como um trilho para o deslizamento da actina durante a contração muscular. As moléculas de miosina têm uma cabeça com dois sítios de ligação: um para a actina e outro para o ATP.
 A contração
Inicia-se com a chegada dos neutrotransmissores na sarcolema. Pelo sistema T (os túbulos transversos) essa informação atinge rapidamente os retículos sarcoplasmáticos que têm sua condutância do cálcio bruscamente modificada. Assim, o retículo libera cálcio. Com o cálcio livre, a actina é disponibilizada para se ligar ao sítio específico da cabeça da miosina. Ligação feita, um ATP é quebrado e a cabeça move em torno de 45⁰. Assim, a miosina "rema" a actina, que desliza 4nm. Para a liberação das duas proteínas é necessário novo ATP. Quando ele se liga, a cabeça se solta. Quanto mais impulsos atingirem uma região muscular, mais remadas a miosina dá na actina favorecendo uma força final maior.


 Regeneração do ATP

Quando um ATP é quebrado formam-se ADP e Pi (fosfato inorgânico). Há algumas formas de regenerar o ATP. A mais rápida delas é a partir de moléculas chamadas fosfocreatinas. Elas são feitas a partir de ATP durante o repouso e podem oferecer energia posteriormente para sua reposição. Outras formas são pela respiração aeróbica e pela fermentação lática.

Fadiga, cãibra e dor
    A exaustão do músculo normalmente decorre do excesso de ácido lático. Isso acontece porque o ritmo de exercício superou a capacidade aeróbica do músculo. O ácido lático reduz a atividade do músculo pela queda do pH. Mas não provoca dor. A dor é resultado das micro-lesões nas linhas Zs dos sarcômeros. Elas são recuperadas posteriormente todavia enquanto não acontece podem gerar edemas (acúmulos de líquidos), que pressionam terminações nervosas revelando a dor local.

Exercícios e saúde
Você pode usar um monitor de batimentos cardíacos para saber se você está fazendo um bom treinamento enquanto pratica qualquer esporte. para isso, siga os passos abaixo:
a) para calcular seu MHR (máxima atividade cardíaca, maximum heart rate): homens - 220 - idade e mulheres - 230 - idade;
b) % do MHR: 65 - 78% (MANUTENÇÃO DE SAÚDE), 65-85% (EXERCÍCIO AERÓBICO) e 78-90% (EXERCÍCIO ANAERÓBICO).

Por exemplo, eu tenho 40 anos e quero apenas manter minha saúde. então meus batimentos durante o exercício podem ficar
65% do MHR - meu MHR é 220 - 40 = 180, 65% de 180 é 117. Meu máximo é de 78%, então é 140.
Pratique esportes! Recomende a toda a família, especialmente aos adultos.

Comentários

Marcela disse…
que absurdo, 137-180 pra mim! Pra exercícios anaeróbicos. Sou mais comer tofu pro resto da vida do que ter que ficar pensando nisso de perder gordura Ü
tá, nem tanto. Mas não consigo aproveitar nada com BPM de 180, pelo menos na academia era um saco.

Postagens mais visitadas deste blog

Insetos e aracnídeos: uma confusão evitável

Lista de exercícios - biologia