quinta-feira, novembro 13, 2008

Cidadão de papel

A situação da infância e da adolescência brasileiras passa também por problemas de razões biológicas, sendo essa relação da biologia com a obra, uma biologia, eu diria, social. Temas importantes são trabalhados na obra de Dimenstein como a desnutrição, a gravidez, o lixo, as doenças e a mortalidade infantil. E essas coisas estão ligadas entre si e demonstradamente com a educação do nosso povo.

A mortalidade infantil no Brasil tem sido objeto de preocupação há muito tempo. Nossos índices são alarmantes e nos colocam em posições constrangedoras no cenário mundial. Em 1980, nossa mortalidade era de 67 indivíduos durante o primeiro ano de vida para cada 1.000 nascidos. Em 2002, era de 37. Em 2008, é de 22. Melhoramos mas nosso número atual é mesmo que, por exemplo, Cuba e Portugal tinham há quase trinta anos.

Os motivos de números ainda indesejáveis estão na alimentação, no saneamento básico, na assistência médica e na educação da população.

A qualidade alimentar de mães e recém-nascidos é uma questão de segurança e de sobrevivência. Mãe desnutrida, bebê desnutrido. As dietas materna e das crianças devem atender às necessidades de ambas e aí, particularmente alguns nutrientes tem-se mostrado mais importantes. O ferro - presente na carne, feijão, beterraba e folhas escuras - é importante para a produção de hemácias, células sangüíneas de suma importância para o transporte de oxigênio e atividade geral. O iodo – presente no sal de cozinha - entra na composição de hormônios importantes da tiróide, glândula localizada no pescoço, que pode atrasar o desenvolvimento dos sistemas nervoso e muscular. Além de interferir no crescimento da criança. Outro ponto importante é a deficiência da vitamina A – vitamina presente nos vegetais amarelos e laranjas, gema do ovo e fígado - pode resultar em cegueira e outros problemas visuais.

É necessário assegurar que nossas crianças, mesmo as que ainda estão por nascer, tenham suprimentos adequados para sua boa sobrevivência.

Outras preocupações dizem respeito ao acompanhamento da gravidez e a amamentação. O país deve estar preparado para a realização de exames pré-natais e estimular a mãe a amamentar seu bebê até, pelo menos, os seis meses de vida. O leite materno é importante como nutriente mas também auxilia na proteção contra infecções.

Infecções. Muitos brasileiros sofrem com doenças, particularmente nossas crianças. O maior perigo vem de uma amiga que demonstra inocência: a água. Nela, bactérias e vírus aguardam a oportunidade de serem ingeridos. Entre os vírus, preocupam o da rotavirose, doença debilitante com diarréia e vômito, e o da hepatite A. Entre as bactérias, a lista inclui a da leptospirose, a da febre tifóide e a da cólera. Fora eles, alguma verminoses ainda são realidade em algumas áreas como é o caso da ascaridíase, a lombriga. Nome dado ao verme e também à doença, causa desconforto intestinal, podendo também significar problemas respiratórios quando suas larvas atravessam os pulmões.

O triste recado dessas doenças é o de que elas poderiam ser evitadas com medidas intensivas de educação popular e saneamento básico, medidas essas que deveriam partir de políticas públicas eficientes.

A natalidade vem caindo. O Brasil vem diminuindo a sua taxa de fecundidade. Em 2008, a taxa é de 1,8. Isto é: cada mulher brasileira tem em média menos de dois filhos. As principais causas dessa queda são: o grau de escolaridade da mãe e o acesso a contraceptivos. A gravidez vem caindo em todas as faixas etárias, menos entre as adolescentes.

No Brasil, por ano, 1 milhão de adolescentes ficam grávidas. É um número muito alto. As razões são muitas, mas passam essencialmente pelo grau de escolaridade, pela precocidade sexual, pela resistência ao uso de preservativos e por problemas sociais e até culturais. A gravidez na adolescência inspira cuidados, particularmente se ocorrer antes dos 16 anos de idade. Mãe e criança podem sofrer. Há, porém, alguns mitos como o de maior possibilidade de doenças genéticas. Mas há uma verdade: tudo vai ser diferente a partir do nascimento daquela criança. Com medo, muitas mulheres recorrem ao aborto, estimado em 1 milhão por ano no Brasil. Os abortos são quase sempre ilegais, uma vez que a lei brasileira só os permite em duas condições: quando houver estupro ou quando houver risco de vida materna. É uma questão delicada e de solução necessária.

Nenhum comentário: