domingo, agosto 12, 2007

A cicatriz de Marilyn

Em 1962, morria um mito: Marilyn Monroe. Há 25 anos, a personificação de um dos maiores símbolos sexuais da história do Ocidente. Uma mulher que marcou gerações e ajudou a justificar o termo estrela. O mito vem à tona com novas poses, fotografias em uma era sem "photoshop", sem máscaras cibernéticas, sem softwares. Assim, a "loura fatal" revelou em seu abdômen uma imperfeição gerada por uma traição fisiológica: uma cicatriz.

As fotos divulgadas foram feitas semanas antes dela falecer, aos 36 anos. E semanas depois de uma cirurgia de vesícula. Um talho bem nítido de 10 a 20 centímetros no seu lado direito passou a conviver com toda a beleza que lhe aflorava.

A vesícula biliar é um órgão pequeno que se encontra debaixo do fígado. Sua função é armazenar a bílis (ou bile). Apenas armazenar. Muitas pessoas atribuem-lhe a função de fabricar essa secreção digestiva o que não é verdade. O fígado é quem produz a bílis.

A bílis é constituída de sais derivados de colesterol: chamam-se de sais biliares. Essas moléculas possuem a capacidade de serem polares em uma extremidade e apolar na outra – são anfipáticas. Assim, atuam como um detergente na altura do duodeno, onde é lançada, auxiliando na dissolução de óleos e gorduras. Cuidado! Não há enzimas na bílis portanto ela não digere lipídios, apenas facilita a ação das lipases.

Pedras (ou cálculos) nos rins, todos já ouviram falar. Pedras na vesícula é menos comum. É também chamada de cálculo biliar. É mais em comum em mulheres, acima dos 40 anos e obesas. Em 80% dos casos, as pedras são cristais de colesterol. Formam-se devido a uma supersaturação dele na bílis. Essa formação deve-se a uma absorção excessiva de água pela vesícula aliada com a abundância de colesterol. Hoje, há drogas que são capazes de dissolver. A cirurgia laparoscópica é mais usada, são feitas pequenas incisões de poucos centímetros. Mas na época de Monroe, no início da década de 1960, a solução era mais invasiva e deixou uma seqüela nítida. Nada que arranhe a imagem eterna de um dos maiores emblemas da história do cinema.


7 comentários:

Janinne (PV04) disse...

Oi professor!!!
Nossa, adorei o blog! O fato de vc escolher um fato "qualquer" e a partir daí mostrar as relações que esse fato tem com a biologia, torna a leitura do blog muito agradável e didática!
Parabéns pelo blog, sempre vou aparecer por aqui.
Bjins

Aluna disse...

Professor,
o blog tá muito bacana! sempre que da, dou um pulinho por aqui e é sempre proveitoso.As explicações são simples e bem parecidas com as da sala de aula.
Bom, comentário registrado então só uma pequena correção: É Marilyn e não Marylin.

Grande abraço e até mais!

professor lasneaux disse...

Obrigado.

Anônimo disse...

faltou botar a foto da cicatriz, né?? haha

outra coisa marcelo, você deveria falar sobre esse blog aos alunos do cursin, ao acaso descobri esse endereço qnd vi em uma das suas nos slides..

abraço

Plínio/Aluno disse...

Professor! Muito bom o seu blog! Parabéns! Texto interessante. Uma sugestão: poderia deixar o plano de fundo com uma cor clara, o blog ficaria mais bonito, mais "clean". E colocasse os textos do lado direito da tela. Parabéns novamente!

professor lasneaux disse...

Eu divulguei em todas as turmas!
PLínio, vou avaliar sua sugestão. Obrigado!

Ingrid disse...

Adorei ler sobre ela!
Eu sabia disso e tenho a foto que ela tirou.
Coloque a foto se vc tiver.
Aliás não é só a cicatriz que está aparente, tb nota-se os seios, não caídos, mas diferentes pela idade.
E isso é muito belo!Não diminui a beleza dela em nada!Pelo contrário!Acho muito mais bonita do que anos antes e do q qualquer mulher fruta atual.
Além disso ela era e é um doce, culta, cometia erros, enfim..humana.