sexta-feira, outubro 18, 2013

O desenvolvimento econômico e a fome

O crescimento econômico é o novo lema do fim da pobreza. Assim, muitos presidentes e primeiros-ministros vêm adotando em seus discursos, que dessa forma, haverá necessariamente renda e inclusão social, para todos. Chamamos isso de falácia. 
Pesquisas continuam a apontar que a verdade é ocultada dos jornais e do discurso positivo dos governantes. No Brasil, por exemplo, em pesquisa do IBGE, recentemente divulgada, a diferença entre a renda dos mais ricos e dos mais pobres, aumentou. Apesar do nosso modesto crescimento. Há mais pessoas atravessando a fronteira da pobreza, aquela de viver com menos de 1,25 dólar por dia. Entretanto, a maior parte dos ganhos estão indo para aqueles que já ganham mais. Uma espécie de transporte ativo de recursos, uma política contra-redistributiva. Outro dado negativo, obtivemos do relatório da FAO, o braço da ONU para questões alimentares. Mais da metade dos 850 milhões de famintos do mundo são indianos. No entanto, a Índia exportou mais de 17 milhões de toneladas de trigo em 2012. Na China, mais um dos BRICS, há um projeto de implantação de fazendas-modelos em várias partes do mundo. Nesse programa, há recursos milionários para aqueles governos que aceitarem a implantação das fazendas chinesas. Quanta contradição! A China tem um Brasil inteiro de famélicos em seus domínios.
Em seu "Devastação em massa", Ziegler afirma categoricamente que uma criança que morre de fome no mundo é um assassinato. Segundo ele, há condições de alimentar 12 bilhões de seres humanos com 2.200 calorias por dia. Somos 7 e temos quase 1 passando fome. 
A distribuição de renda e alimento não serão resolvidas pelo crescimento econômico. Precisamos saber disso. além do que, o planeta não suportará tamanha falta de respeito, ganância e voracidade. Teremos problemas de escassez, caso o ritmo não seja outro. Precisamos de consumir de forma consciente e explorar o meio de forma consciente. 

E há muitos que acham que não vivemos uma crise. Já sabemos de que parte da pirâmide econômica vem essas vozes.

Nenhum comentário: