quinta-feira, dezembro 21, 2017

A educação da falta ou a falta da educação?


Por que reprovar por falta?
Eu realmente gostaria de entender.
Vejam bem.
A ementa do curso é a apresentada. O professor escolhe a forma de avaliação, aplica seus exames seja de que natureza for [quase nunca dialogada com o aluno], o aluno cumpre todas as metas estabelecidas pela comprovação [nefasta] das provas e atinge a nota mínima para passar e... é reprovado.
Porque faltou muito.
Eu gostaria de entender: a presença garante o quê?
Por que a aprendizagem deve ficar abaixo [ou no mesmo nível] da presença, no caso da primeira ser atingida?
A "educação da falta" se sustenta em qual princípio pedagógico?
Ou mais uma vez estamos evidenciando a "falta da educação", onde ela [a educação] fica submissa ao sistema e às suas regras estapafúrdias?
Por que o aluno deve estar minimamente em sala para aprender se aprendeu do mesmo jeito? O sistema precisa de uma espécie de fetichismo pelo aluno? Por que se o objetivo pedagógico não é a presença por que o aluno é punido pela falta?
Volto então para a pergunta desse post:
o que [ou quem] [verdadeiramente] está faltando?
POR UM NOVO LUGAR PEDAGÓGICO

Nenhum comentário:

O ensino-anfioxo

Provavelmente todos os professores de biologia brasileiros vão morrer sem ver um anfioxo. Mas passam mais tempo falando de...